Você está vendo uma versão simplificada do site. Cadastre-se e faça o login para ver o conteúdo completo
Visitante
wagner luiz marques - Tutorar
wagner luiz marques
cianorte, PR

ADMINISTRANDO A VIDA ATRAVÉS DA PRÓPRIA VIDA > 23 - XII - FALE: VOCÊ ESTÁ SENDO GRAVADO – APRENDER FALAR EM PÚBLICO

23 - XII - FALE: VOCÊ ESTÁ SENDO GRAVADO – APRENDER FALAR EM PÚBLICO

Aula anterior: 22 - XI – ACEITE COMO VOCÊ É – VIREI – 2ª AULA
Próxima aula: 24 - II - ADMINISTRAÇÃO DO HOMEM E DE SEU SEMELHANTE

ADMINISTRANDO A VIDA ATRAVÉS DA PRÓPRIA VIDA  - XII - FALE: VOCÊ ESTÁ SENDO GRAVADO – APRENDER FALAR EM PÚBLICO wagner luiz marques
cianorte, PR
1
1041

APRESENTAÇÃO
Expressar a alegria, a angustia, o desespero, a tristeza e muitas outras reações não apresentadas são maneiras de comunicação, mas necessitam ser entendidas pelo seu próximo, para que o intuito tenha sentido e proporcione resultado na ação desejada.

Esta ação necessita de caminhos que colaborem para a compreensão e este livro tem este propósito: fazer com que os leitores possam descobrir a melhor maneira de se manifestar e adquirir confiança no seu poder persuasivo de comunicação.

O livro “FALE: VOCÊ ESTÁ SENDO GRAVADO” não tem o propósito de fazer do leitor um excelente comunicador, porque isso deve ser conseguido pelo próprio ser humano; os bloqueios devem ser vencidos por si mesmo; não é um livro que fará mudanças na personalidade do individuo, mas ajudará a conduzir sua caminhada para o desejo que necessita.

Manifestar vontade de comunicar-se não é o problema. Todos possuem essa dádiva: expressar, movimentar, pular, são reações da comunicação. Moldá-la para o entendimento se torna necessário e saber faze-la, este é o propósito do comunicador; qualquer forma realizada estará transmitindo o desejo para qualquer cidadão.

Busque superar o medo, a vergonha, a insegurança que pairam sobre seus ombros. As respostas desta superação estão dentro do seu próprio ser. Não desanime, não perca as esperanças, não desista, porque o sucesso está próximo de você: só basta acreditar em si mesmo.
A comunicação não é isoladamente o caminho do sucesso, pois depende de muitas outras razões a serem acrescidas, só que é o caminho para poder apresentar-se, relacionar-se, divulgar o talento que está no interior de cada ser humano.

Portanto, não faça do comodismo a arma de sua desculpa. Lute para ser o melhor. Com o passar do tempo todos seremos esquecidos. Já se imaginou deixando de atualizar-se, não procurando aprender técnicas de aperfeiçoamento e tornando-se mais um neste mundo? Tenha vontade de se aperfeiçoar. É o caminho para superação.

Logo, saber comunicar-se soluciona vários problemas; o mais importante é convencer o seu próximo de que você existe e está preparado para demonstrar o talento que contribui para a sociedade. Alcance sua confiança, lute pelos seus objetivos desejados, conquiste seu espaço, compartilhe seu conhecimento, convença a si mesmo que pode ser muito bom. A chave está em suas mãos: só basta abrir as portas de sua felicidade. Leia este livro, aplique as técnicas e, com certeza, você saberá expressar-se ao público e conquistará o seu próprio universo.

Fazendo parte desta obra é uma honra porque, quando existe a união, a paz, a fraternidade, isto possibilitará realizar grandes trabalhos, independente do número de páginas ou do tamanho, pois, o que vale é o conteúdo que contribui para o leitor.

Este livro, como todos os outros realizados pelo autor possui este significado: contribuir ao leitor caminhar para a qualidade, esperança e motivação da busca em tornar-se o melhor mesmo sendo no seu interior.
Reflita bem cada palavra, frase e informação, pois o seu sucesso é a esperança de um planeta mais humano e fraterno.

Muita fé, paz e humildade para todos nós.

A BUSCA DO FALAR EM PÚBLICO

Estudar a oratória é buscar a arte de falar bem, não se preocupar com a platéia, mas estar preparado para expressar com clareza e presteza aquilo que se prontificou a relatar aos ouvintes.

Quando o comunicador se coloca a dirigir-se ao seu próximo, necessita estar preparado e conhecedor do assunto que se dispõe a proferir. Deve desempenhar sua voz com uma tonalidade satisfatória para o ouvinte e que, ao mesmo tempo, não prejudique a si mesmo. A linguagem segue os padrões exigidos na ação ou na faculdade de falar bem e corretamente.

Ao iniciar o estudo da arte de falar bem e coragem em se comunicar com um grupo de pessoas, o primeiro procedimento é:

Os leitores dizerem o que pretendem conseguir e o que esperam ganhar com o falar ao público e,
Expressar o seu conhecimento, que é exclusivamente de seu interior e, estará divulgando a muitos outros espectadores.

Neste momento o indivíduo expressara a sua emoção, medo, e até mesmo vontade de desistir, mas é por isso que necessita suportar o desafio do seu próprio ser e iniciar o trabalho de relatar uma intimidade sua para pessoas que não estão preocupadas com o que irão ouvir, pois os objetivos de cada um são muito variados e, desta forma, pode narrar sem medo e sem preocupação o que irá dizer. Também o que sai de dentro do próprio ser humano é de um conhecimento muito valioso, que o medo será substituído pela coragem e tudo se realizará perfeitamente.

Este momento podemos dizer que é uma desintoxicação da fala e que o medo inicial sempre existirá independentemente do local, da platéia e do que será proferido, sendo que, para qualquer pessoa, experiente ou não, o medo de falar para uma platéia que nunca teve contato existirá. Isto, todos os palestrantes, atores, cantores o dizem: o impacto proporciona insegurança. Com o decorrer do dialogo, o profissional se vai soltando e tudo caminha perfeitamente para o sucesso e cumprimento dos objetivos planejados.

O desempenho inicial de expor seus objetivos de falar bem aconselha ser realizado em pé, porque a ação de agir desta forma demonstra respeito, confiança e clareza ao expressar a voz. Um diálogo desempenhado com postura adequada proporciona ação positiva e favorável para dar continuidade ao conhecimento de narrar em público.

OBSERVAR OS PROCEDIMENTOS

Observar os procedimentos executados por pessoas que são experientes na ação de falar em público. Esta atitude demonstrará conhecer o que é correto e o que não é ao falar para um grupo de pessoas. Este momento avalia reportagem, palestra, entrevista, enfim, a maneira que se coloca um profissional experiente para se dirigir ao grupo determinado.

Procure analisar vídeos que demonstram partes de palestras que conseguiram cativar o público alvo e tornaram-no satisfeito com o que foi buscar. Não queremos que haja uma cópia do que fazer para conquistar o espectador, pois o expressar bem vem de dentro do indivíduo; o conhecimento é conquistado com muito esforço e o plágio não faz bem a ninguém, nem mesmo a postura de falar em público, mas avaliar o próximo, principalmente o experiente, isso torna satisfatório o estudo.

Terminada a avaliação da palestra, reportagem, entrevista de uma pessoa experiente, o profissional que está na busca de tornar-se um orador bem sucedido fará comentários do que percebeu, avaliando os pontos positivos e negativos. Este trabalho é sugerido que se faça individualmente e em pé para todos os que participam do estudo de grupo.

No momento em que a pessoa fizer isso, estará obtendo um comentário alheio que servirá como efeito de observação e, com isso, estará corrigindo-se dos erros em decorrência da experiência observada no próximo e ao mesmo tempo assimilando o que é correto para estar representando no decorrer de suas oratórias.

A experiência alheia é vantajosa, pois, pode-se corrigir e sempre fazer o certo através das observações realizadas no treinamento. Nunca pense que uma palestra seja totalmente improdutiva, porque deveremos estar sempre avaliando os pontos positivos para aplicarmos em nossos trabalhos ou verificando os pontos negativos para não repeti-los, pois, se não gostamos da atitude realizada pelo orador não podemos praticá-la da mesma maneira.

OBJETIVOS DA ORATÓRIA

Não podemos perder o foco do objetivo de realizar uma boa oratória. É através desta ênfase interna que buscamos o melhor de nosso trabalho. É por intermédio de uma boa conversa que conseguimos demonstrar a nossa capacidade, conviver regularmente na sociedade, conseguimos bons amigos, nos comunicarmos bem em qualquer lugar que estivermos e influenciamos a todos demonstrando a nossa liderança.

SUCESSO DA ORATÓRIA

Para que o ser humano consiga o sucesso, deve acreditar nas suas atitudes, confiar que pode conseguir falar bem e dominar um grupo de pessoas com sua capacidade de comunicar-se, estar atualizado em relação ao conteúdo determinado porque, sabendo o que falar, conhecendo o programa a ser proferido, não terá medo e se expressará tranqüilamente e com segurança, Isto mostrará sucesso e valorização pessoal e, a partir deste momento, não terá medo e absorverá segurança constante no decorrer de outras oratórias. Assim, para obter êxito, precisa de qualidade, vontade, entusiasmo, persistência e capacidade de vencer obstáculos através da autoconfiança.

APROVEITAMENTO DAS OPORTUNIDADES

O persistente na vitória, desafiador dos perigos, conquistador das metas, aproveita as oportunidades mais remotas para se auto-valorizar. Não pode deixar passar as oportunidades, estar preparado sempre ao falar em público, não ter receio, ser comunicativo e, ao ser solicitado a falar a uma ou mais pessoas, independentemente de onde estiver, fale, assim estará se apresentando e todos o estarão conhecendo, podendo surgir convites para palestras, cursos, treinamentos e até mesmo liderança de grupos devido a uma demonstração realizada na hora certa, local certo e com as pessoas certas, isto é, alcançar o sucesso almejado.

ALCANÇAR CONFIANÇA

O palestrante, professor, pastor, padre, artista, cantor etc., todos têm medo ao falar em público, mas o medo derrota as pessoas. Para que isso não se prolongue no interior dos profissionais, deve-se aprender a controlar-se, dominar o medo, formar no seu íntimo a coragem da autoconfiança porque, falar em público significa lutarmos contra o nosso temor.

Para que possamos refletir o verdadeiro medo e superá-lo através do falar em público, vamos analisar os itens a seguir:
Temos que ter em mente que não somos as únicas pessoas que possuímos medo de falar em público; muitos são iguais a nós, por isso temos que superar os nossos desafios e nos diferenciar desta maioria.
É necessário certo medo, pois, isto nos proporciona prepararmo-nos melhor, fazermos com qualidade. A autoconfiança algumas vezes nos atrapalha e nos proporciona inquietude e desqualificação profissional.
A maioria dos oradores, ao iniciar o trabalho de falar ao público, possui medo e só com o passar do tempo, vai ganhando autoconfiança.
A principal causa do medo em falar em público é o fato de não se ter o costume. No momento em que aproveitar as oportunidades e colocar-se a fazer comentários, perguntas e ganhar confiança, todos estes medos se acabam.

PREPARAR-SE PARA A ORATÓRIA

Todo profissional necessita ser convicto e desenvolver com qualidade o que se propôs a fazer. Sendo assim, ao receber o convite para proferir uma palestra, dirigir uma reunião, ministrar uma aula, deve-se preparar plenamente o que irá proferir. Necessitará fazer um planejamento de conteúdo, para que não se perca com a fala, não ultrapasse o horário previsto e que não demonstre incapacidade no que estará fazendo. Utilizando esta linha de raciocino conseguirá desenvolver excelentemente uma boa oratória no local solicitado.

O falar de improviso proporciona insegurança e apresenta reações de medo, devido ao despreparo e isto poderá torná-lo um derrotado, humilhado e até o levará as possíveis reações de incapacidade que provavelmente o impedirão de desenvolver outra palestra e, talvez, nem será convidado em outras oportunidades.

DISCURSO DECORADO

Ao falar em um discurso, estamos relatando o ato de comunicação verbal, a expressão lógica do assunto, a importância da transformação do ouvinte, a preparação perfeita. Portanto, não podemos decorar um discurso, o que pode provocar um bloqueio mental diante do auditório e levar-nos a mergulhar diretamente na armadilha do esquecimento e, com isso, perdermo-nos no assunto e não conseguirmos realizar adequadamente o que pretendíamos fazer, que é uma excelente oratória. Também o discurso decorado é cansativo para o ouvinte, proporcionando desânimo, tornando improdutiva a palestra.

Ao preparar-se para o discurso, leia com muita atenção o material a ser discursado, conheça o assunto, procure frases que auxiliem nos comentários e, se possível, dê exemplos para o enriquecimento do trabalho a ser proferido. Se houver possibilidade no local a ser realizada a palestra, utilize transparências com palavras ou frases que facilitem o entendimento da platéia e também do orador, porque a apresentação visual torna-se favorável para a boa oratória e fortalecimento do entendimento do público que está participando da convenção.

ORDENAÇÃO DO DISCURSO

Para realizar o planejamento de um discurso, o palestrante deve ordenar o seu trabalho, montando-o de maneira que contenha início, meio e fim, para que o ouvinte possa entender o raciocínio do assunto e, com isso, sair satisfeito da palestra. Crie um tema que seja compatível com o assunto: a importância de cativar o ouvinte é demonstrar a atenção através da marca que se propõe a falar.

Procure experiências significativas, reúna suas idéias com a convicção conseguida das experiências do dia-a-dia. A verdadeira preparação é a organização do programa e o cumprimento de todas as etapas traçadas para a realização do trabalho desejado.

MOTIVAÇÃO AO PREDISPOR A MENTE AO SUCESSO

O profissional que desejar realizar uma boa oratória e conseguir falar adequadamente para o público, deve estar predisposto a acreditar que pode conseguir alcançar o sucesso, realizar adequadamente a palestra, acreditar que irá influenciar os ouvintes e estimular o seu próprio “eu”, que consegue e deve seguir enfrente na busca do objetivo desejado. Superar as metas, vencer os obstáculos e confiar em si próprio seguindo as:

ETAPAS PARA ALCANÇAR OS OBJETIVOS DESEJADOS
“Extraído do Livro ‘O Poder da Superação’ de Wagner Luiz Marques”

Primeira Etapa:

O profissional deve concentrar-se, exclusivamente, no seu desejo primário, esquecendo tudo que atormenta sua vida.

Relacionar o desejo primário com tudo aquilo que leva a alcançar ao máximo o objetivo desejado. A partir daí, o profissional passa a delimitar o seu desejo e criar metas a serem alcançadas, ou seja, concluir etapas, acalmar o seu ser e enfrentar gradativamente os seus desafios.

Para o profissional atingir o desejo esperado, deve realizar com calma, qualidade e dedicação tudo o que dispôs a fazer, tendo sempre em mente alcançar o desejo esperado, o qual desenhou na mente.

Segunda Etapa:

O profissional deve colocar em prática os seus desejos primários, seguindo etapa por etapa, sem querer fazer tudo de uma só vez, pois a função de “executar” nunca pode ser realizada de forma desesperada o que gera falta de qualidade, e isto afeta o resultado final da causa desejada.

Terceira Etapa:

O profissional deve estar sempre acreditando que vai conseguir atingir o objetivo desejado, pois, se fraquejar, poderá colocar a perder os desafios traçados em sua mente.

Quarta Etapa:

O profissional deve sufocar o seu desafio; deve provocar-se, porque estará passando da metade o objetivo desejado em conquistar o desenho de sua mente, e esta fase é a mais precária, pois o profissional está cansado, está desanimado, chega a pensar que não vai alcançar os objetivos traçados... chega a pensar que não compensa continuar. Assim, o profissional deve desafiar-se, colocando a razão mais forte que a emoção, superando a tudo e a todos.

Quinta Etapa:

O profissional está chegando à fase final dos seus objetivos traçados. Este momento é o ponto máximo da auto-estima, o momento que o profissional descobre o seu potencial, sabe que os desafios só são superados quando acreditado e não depende de ninguém, apenas de si mesmo. Não esquecendo que no início, na maioria das vezes, necessitou de uma ajuda dos familiares, amigos, consultores, ou também do seu próprio ego para não ficar atrás dos seus concorrentes.

Sexta Etapa:

É a fase final, é a parte do êxtase. É o momento de colher os frutos, descobrir que valeu a pena fazer tudo, pois, conseguir a causa desejada de forma sacrificante é muito melhor do que recebê-la de “mão beijada”.

Este momento é a realização da auto-estima do ser humano, é a descoberta da sua motivação pessoal em viver porque, acreditar em si é bem melhor do que esperar “cair do céu”, ou que alguém o ajude a conseguir. Lute sempre e seja um eterno profissional.

IMPRESSIONE NA FORMA DO FALAR

A conquista do espaço está no convencer o próximo, colocar as palavras perfeitas e esclarecedoras, tornar o público atento a escutar o que o palestrante se colocou a falar. Entoe a voz de forma forte e que convença o auditório e demonstre confiança naquilo que está falando.

Quando aceitar um trabalho no qual necessitará expor ao público o seu conhecimento, fale de assunto que domine, que tenha competência adquirida através da experiência ou através do estudo. Em hipótese alguma proponha-se a falar ao público de assuntos que não domina ou, mesmo que estudando, não conseguirá repassar às pessoas que no auditório estiverem.
A melhor forma de conquistar o ouvinte é contar da vida que sempre lhe ensinou, pois, neste assunto, não haverá problema de errar ou mesmo de envergonhar-se perante o seu semelhante. A experiência da vida é o que cativa o ouvinte, porque todos passam pelas mesmas dificuldades e são facilmente convencidos a adotar esse ponto de vista. A platéia prefere idéias gerais, filosóficas, sociais e, que a vida ensina a todos a galgar um melhor caminho de sucesso.

Não se empolgue ao falar da experiência de sua vida, talvez se torne cansativo e não bem aceito pelos ouvintes; mescle a experiência com a sociedade, assim fascinará o ouvinte e o empolgará a permanecer e a assistir à palestra.

Em nenhum momento poderemos nos desanimar com a platéia, porque nunca agradaremos a todos os participantes, pois, não somos perfeitos e, sempre no meio da sociedade existe alguém que não simpatizará com o nosso jeito, mas, não podemos desanimar. Devemos fazer o melhor de nós e se conseguirmos agradar a um dos participantes, ficamos felizes, porque conseguimos realizar a nossa meta, convencer o que nos propusemos a falar e tornamos um adepto às nossas atitudes.

Para que consigamos isso, precisamos fazer com que os ouvintes sintam importante o que vai ser dito. Não basta que o palestrante esteja empolgado com o tema, deve também cativar o público com tema que a maioria desejar.

CONQUISTAR O DIREITO DE FALAR

Falar em público é conquistar a platéia, é cativar de uma maneira que proporcione simplicidade, confiança e respeito perante os ouvintes. Conseguir o direito de falar é demonstrar que sabe o que está proferindo, demonstra confiança e atitude nas frases entoadas. A maior virtude de um palestrante é ser ele mesmo, não tentar imitar um profissional conhecido, pois pode se prejudicar e tornar uma conversa em grupo melancólica e sem vida.

Conquistar o direito de falar é colocar vida na conversa, é intercalar exemplos de vida do próprio palestrante ou de experiências conquistadas na vivência da vida ou através de reportagens, livros e ou assuntos que convierem com o tema que está sendo apresentado. As palavras proferidas necessitam ser humanizadas para que se coloque vida no diálogo e, assim, todos prestem atenção: torne-se atraente e conquiste o público na sua totalidade. Em todo exemplo empregado na conversa em grupo, é positivo empregar nomes às personagens, mesmo que sejam fictícios, mas, isto enriquece a conversa e torna-a aparentemente real e o dialogo passa a ser dramatizado, ou seja, a conversa se torna forte e emocionante, cativando o público que está participando.

Em toda apresentação, é importante que se demonstre visualmente os pontos cruciais da palestra, pois, conforme os estudiosos das áreas nos dizem, mais de 85% (oitenta e cinco) por cento dos conhecimentos são conseguidos através da visão. Sendo assim, é necessário que em uma palestra, reunião, aula etc., sejam apresentadas figuras, pontos que identifiquem a importância da fala e estimulem o participante a fixar e prestar a atenção no que se está apresentando. Devemos tomar muito cuidado com essa sistemática de apresentação, porque devemos planejar-nos adequadamente para que a palestra não se torne apenas visual, cansativa e que o orador não faça nada mais do que ler e identificar a figura que está sendo reproduzida para os participantes.

O orador deve sempre colocar palavras fáceis, concretas e familiares que possibilitem a criação de imagem ao público participante. Dessa forma, possibilitará tornar uma palestra dinâmica, animada, com vida e atraente às pessoas que ali participam do enriquecimento dos conhecimentos e valorização do profissional que está proferindo a oratória.

DAR VIDA À PALESTRA

Para dar vida à palestra, o apresentador deve falar ao público de forma encantadora e conduzir a mesma de forma simpática, utilizando palavreado que manifesta a real participação do público, utilizar a empatia, colocar-se no lugar do ouvinte e identificar que só será agradável uma conferência pública quando estiver falando para as pessoas que estão querendo ouvir.

Tornar uma palestra humana é dar vida ao relacionamento entre orador e ouvinte, é existir uma comunhão fraterna, é falar aquilo que o palestrante gosta de transmitir e o ouvinte gosta, quer e necessita escutar sobre diálogo pronunciado.

A melhor forma de cativar a platéia é usar a simpatia ao extremo, demonstrar que sabe, mas não de forma insolente, demonstrando ser o único conhecedor do conteúdo apresentado. Isto leva àquele que escuta o discurso, a irritar-se e não sentir-se bem no local que está fazendo parte.

Todo discurso deve ser realizado com um bom planejamento. Só assim consegue-se desenvolver com qualidade e escolher assuntos importantes que contagiem profundamente os participantes do evento. O objeto da matéria que se trata deve motivar o ouvinte e utilizar argumentos que possibilitem convencer os mesmos a concordar e aceitar o que está sendo apresentado.

A exposição que se realiza deve ser contagiada pelo espírito da vida e o sentimento do respeito e da sinceridade, assim proporcionará a ação de expressar ao público idéias e pontos de vista que sejam coletivos e reais para a experiência de vida de cada indivíduo que busca conhecimento e alcance a real possibilidade de uma aprendizagem sadia e democrática.

O PALESTRANTE DEVE COMPARTILHAR COM O AUDITÓRIO

Para que uma palestra contagie o auditório o palestrante deve motivar os participantes a fazerem parte da palestra; deve haver uma interação entre o palestrante e o público. A alegria e a descontração reinarão no ambiente que se está realizando a conversa e haverá motivo de ação entre o diálogo realizado. Sempre que há uma integração, existe a reação da motivação, proporcionando, dessa forma, o contato adequado, a satisfação de participar e a satisfação do interagir entre público e palestrante.

E, quando existe a interação, identifica-se o interesse do ouvinte em continuar a participar, pois o ambiente se torna familiar, alegre e contagiante. O ser humano a todo o momento busca o ambiente harmonioso e, se houver este local, certamente sua satisfação será total. Um único problema que pode acontecer nesta dinâmica é que pode existir um participante que goste de falar e atrapalhar a palestra ou mesmo o curso, porque estará expondo sempre a sua experiência e, com isso, passa a ser cansativo aos demais. O orador necessita saber conduzir adequadamente estes percalços e evitar que afete a algum dos participantes.

O orador deve ater-se em não reagir com críticas ao auditório, pois o mesmo poderá ressentir-se e provocar uma desmotivação dos participantes e uma barreira de contato para com o palestrante. Agora, se houver elogios por parte do palestrante aos ouvintes, este estará ganhando o caminho para a felicidade e o auditório se tornará contagiado pela palestra. Identifique-se sempre para o auditório, demonstre que se sente honrado em estar falando naquele ambiente. Os participantes do evento são as pessoas que abrilhantam a felicidade e alegram o orador a fazer a melhor palestra que já realizou. Esse fator “quebrará o gelo” e fará com que exista união e a satisfação de estar no devido local.

Nunca se pode esquecer que o bom palestrante sempre deve ser modesto, simples, humilde e prático no que se propõe a fazer. Isso leva a contagiar o próximo e a agradar a todos que fizerem parte do convívio e do ambiente onde está sendo realizado o evento, ou mesmo o relacionamento dos indivíduos. Emocione o público, contagie, apresente o seu conhecimento da melhor forma para que consiga cativar o seu próximo.

PLANEJAMENTOS E OBJETIVOS PARA PALESTRAS

Planejamento da palestra é a função que programa o conteúdo para adequar a realidade do público alvo. O objetivo do planejamento é conseguir oportuna introdução de novos dados, aperfeiçoamento das informações e identificação de mercado para que possa desenvolver uma boa palestra e o ouvinte se apaixone pelo conteúdo apresentado. A ementa (resumo) desenvolvida é integrante desse planejamento.

O caminho a seguir no estabelecimento dos objetivos desejados é a avaliação da importância do que se discute no evento ou o que solicitam que seja apresentado para o público alvo, através de métodos possíveis que, mesmo por limitações, consigam sobressair e apresentar claramente uma palestra de melhoria tanto no conhecimento como também na apuração do resultado satisfatório que cada indivíduo necessita atribuir para seu interior.

O planejamento para uma boa palestra, inicia-se na construção de um bom tema. Este deve esclarecer com uma pequena frase o objetivo central do que será discutido na conferência. Em seguida, compõe-se de forma clara o que se pretende apresentar no evento, identificando uma síntese que servirá como auxílio na divulgação aos participantes. Isto identifica a ementa do plano.

Realizada a composição do trabalho, montam-se os objetivos que serão apresentados. Este fator demonstrará o caminho mestre para conduzir a palestra, o curso, a aula etc., de forma que visualize adequadamente a condução dos trabalhos e norteie os participantes do evento.

Para que a palestra possa ser bem apresentada, o condutor da mesma deve desenvolver os passos a serem realizados e descrever o conteúdo a ser ministrado juntamente com a carga horária da palestra, não esquecendo de relacionar as referências bibliográficas que serviram como base e inspiração à palestra, pois, é neste momento que se apresenta a confiabilidade do palestrante, sua responsabilidade em preparar-se, pesquisar e identificar o caminho de pensamentos que estarão sendo ministrados na palestra, no curso, na aula etc.

O profissional da oratória que realiza o planejamento torna-se confiante no que será apresentado, norteia o seu caminho e esclarece o que será trabalhado no decorrer do evento.

Portanto, planejamento pode-se entender como um modo de avaliar e desenvolver técnicas para que se possa ter uma visão mais ampla sobre o público alvo, para ter uma maior facilidade e segurança na realização das técnicas a serem apresentadas.
Objetivo refere-se aos alvos que deverão ser conquistados para transformar a visão em realidade, por meio da canalização de esforços e recursos ao longo dos períodos de tempo predefinidos. Os objetivos buscam especificar resultados em um horizonte de tempo pré¬-estipulados para seu cumprimento. Suas funções devem ser claramente compreendidas, suas fontes oportunamente utilizadas e sua abrangência, prazos e forma estabelecida a priori.

A realização deste método profissional proporciona ao palestrante uma organização, assim permite uma ordem do material a ser apresentado, uma melhor oportunidade de obter uma bem-sucedida resposta do auditório, e uma qualidade e eficiência no desenvolvimento da palestra.

Essa organização permite que o orador não se perca com a sua fala, não cansa a platéia, orienta os mesmos sobre o que será trabalhado e facilita a condução dos trabalhos de oratória em todos os níveis de áreas a serem ministradas.

EXEMPLO DE PLANO ORGANIZACIONAL
Tema: É o assunto que se quer provar ou desenvolver. É a identificação do trabalho, a comunicação rápida para saber-se o que irá apresentar.

Ementa: Um breve resumo do que será trabalhado no evento.

Objetivo: O alvo que deverá ser conquistado para transformar a visão em realidade.

Carga Horária: Identificar o número de horas que será trabalhada no evento.

Conteúdo do Programa: Especificar detalhadamente o que será apresentado no evento.
Procedimentos Didáticos: Especificar a maneira que será a exposição da oratória.

Recursos: Identificar o material didático a ser usado no curso, aula etc.

Avaliação: Especificar como será a avaliação, caso existir.

Referência Bibliográfica: Os autores e livros utilizados na preparação da palestra.

PALESTRA AGRADÁVEL TRANSMITE INFORMAÇÃO

O orador deve realizar uma palestra que contenha início, meio e fim conforme já mencionados em capítulo anterior e transmita para ao público informações claras e fáceis de serem entendidas. O auditório sempre estará a espera de uma comunicação que proporcione benefícios e sabedoria para o seu interior e que não seja difícil para avaliações e interpretações.

O palestrante deve ser útil na sua extensão de transmissão, porque sua capacidade faz com que aumente a compreensão do participante. Sabemos plenamente que todos possuem dificuldades na interpretação. Sendo assim, devemos praticar atos que facilitem a comunicação, dispondo de exemplos práticos, imagens e diversas estratégias que conduzam uma palestra atrativa para os ouvintes.

ORGANIZAÇÃO DA PALESTRA

O orador deve planejar a sua oratória de forma que cumpra o tempo estipulado para a apresentação, também mencionado em capítulo anterior. Para que isso ocorra, deve organizar as idéias em uma seqüência lógica que construa as inicias da fala, introduzindo o conceito do que vai ser proferido. Logo em seguida, constitui os pontos que constarão na evolução da história, da matéria proferida. Neste momento pode ser apresentado o conteúdo da oratória e caminhar para a conclusão e encerramento da palestra. Observa-se que essa organização levará para a aceitação favorável do auditório.

Também quando se for fazer perguntas para uma determinada pessoa, deve-se explicar que se pretende fazer algumas perguntas e enumerá-las, fazendo cada uma em seu tempo para que não haja esquecimento de quem for respondê-las.

A conversa perante o público deve transcorrer utilizando comparação familiar em relação à região em que está sendo ministrada, pois facilita o entendimento do público e torna fácil a comunicação. Cativar a platéia é falar a mesma linguagem, é proporcionar palavreados condizentes com a realidade do cidadão. Por isso, quando for planejar o diálogo com o seu próximo, deve ser bem analisado, porque a motivação do ouvinte está no entendimento da conversa.

Para facilitar ainda mais a comunicação, é condizente que transforme a conversa em imagem, porque o ser humano tem muito mais facilidade em assimilar através da visão do que da audição. A exemplificação é assistirmos a um jornal televisionado: assimilamos muito mais as mensagens do que em um jornal escrito, porque prestamos mais atenção vendo o âncora do jornal fazendo os comentários e apresentando trailer da notícia, do que quando lemos a notícia.

Quando for proferir uma palestra, evite termos técnicos, principalmente quando for ministrar para um público leigo no assunto. Mesmo em caso de aula ministrada para profissionais da mesma categoria, é necessário que se transforme o termo técnico em palavras utilizadas constantemente pelos profissionais. Isto proporcionará alcançar a grande maioria dos participantes do auditório e tornará a todos atentos na conversa proferida.

Voltando a falar sobre o auxílio visual, o ser humano se atrai por imagens que se movem; deixa o público apreensivo quando, no decorrer da palestra, comenta-se que será apresentado um filme de curta duração para explanar e exemplificar todo o comentário do assunto que se está discutido. Os participantes ficam atentos ao que está sendo apresentado, pois eles querem assistir ao vídeo que será apresentado posteriormente. Temos que nos ater a esse filme: deve ser rápido, atrativo, motivacional e, se possível, comovente para que produza impacto ao participante da platéia.
TÉCNICAS ORGANIZACIONAIS DA PALESTRA

Evite que o público veja com antecedência o que será apresentado durante a palestra;
As apresentações visuais devem ser suficientemente grandes para que o público enxergue em qualquer posição que esteja acomodado;
O orador deve evitar olhar permanentemente o seu “slide” e, principalmente, permanecer lendo;
Não monte “slides” com muitas informações, pois o auditório não está em uma palestra para ler e sim, para ver imagens e ouvir ao palestrante;
Cative o auditório a ficar apreensivo com o que será apresentado no decorrer da palestra para que motive a estar atento em todo o decorrer do evento. O mistério é a maior sensação de entusiasmo do ser humano.

CONVENCER O OUVINTE

Persuadir o auditório é a dádiva do palestrante: deve-se colocar o corpo na postura ereta, evitar sentar-se caso esteja sendo o orador, não encostar nos móveis do auditório e utilizar a voz de maneira que o timbre seja auto ou baixo conforme a ocasião do conteúdo.

A voz é a essência da conquista e o orador deve entoná-la de maneira que utilize as duas tonalidades, alta para motivar a platéia e baixa para exprimir ação de simplicidade, calma e atenção máxima no que está falando. Estas atitudes demonstram conhecimento do assunto e força para convencer todo o auditório.

Outro fato que torna convicta a informação é demonstrar conhecimento do assunto. Em nenhum momento se pode demonstrar falhas, irritação, insegurança. Isso levará à desconfiança e perda da fé do ouvinte perante o orador.

O entusiasmo do orador é o motivo de alegrar o auditório. Faz com que se anime, impressione, transmite espírito brilhante através dos olhos dos participantes e irradia o ambiente de comunicação. Desde que o assunto seja agradável, conhecido pelo orador, que a palestra seja planejada, tendo início, meio e fim, contribui essencialmente para os participantes do evento.

O palestrante, mesmo entusiasmado, deve respeitar o auditório e transmitir informações sadias e respeitosas, objetivando para todos os desejos essenciais do conhecimento, um estar satisfeito pela boa comunicação e aprovação do ouvinte e o palestrante, por sair convencido do que foi proclamado e que atingiu os objetivos desejados. Isto é referência e honra perante o seu semelhante.

O convencer ao próximo não é discutir ou mesmo brigar; é saber conduzir o assunto de forma amistosa e serena, pois ninguém convence ao outro com autoridade, mas sim, com responsabilidade. O orador, conhecendo o assunto, preparado para ministrar e ciente do que falar, não encontrará ninguém que se contraponha ao seu pronunciamento, porque a maneira amistosa superará todos os obstáculos do opositor. A serenidade supera todos os desafios de ódio e brigas.


PREPARAR-SE MENTALMENTE PARA FALAR.

O orador deve estar concentrado para que reflita bem o que irá expressar, pois o cérebro é o comando central do ser humano, é aquele que realiza todos os estímulos, as reações, a concentração e, sobretudo, a ação de realizar. O palestrante estando concentrado saberá falar as palavras certas e não correrá riscos de falar fatos indevidos que possam prejudicar a si mesmo e fazer com que os ouvintes se sintam desrespeitados pelo que escutaram. Esta ação deve ser refletida conforme bem retrata a frase, “há três coisas que nunca voltam atrás: uma flecha lançada, uma palavra pronunciada e uma oportunidade perdida”. Não tem volta uma palavra mal falada, fica marcada para sempre a pessoa que realizou esta ação.

A nenhuma pessoa se recomenda falar sem prévio preparo, pois pode cometer erros irreparáveis. Mas, sendo necessário, fale pausadamente, não se entusiasme com a oratória, para que possa mentalmente estar preparado e, com isso, não se prejudicar e conduzir a conversa para assuntos impróprios que possam causar prejuízo. Reflita muito bem, pense antes de falar. Os discursos não são aconselhados de improviso por isso, faça uma preparação geral.

Reflita muito bem os exemplos a serem apresentados, porque no auditório podem estar pessoas que se relacionam diretamente com o exemplo exposto. Se for exemplificar um fato positivo em relação a determinado fato, nada o impede de citar a referência, se o acontecimento for negativo, em hipótese alguma cite a referência, pois não sabemos qual será a repercussão.
Portanto, qualquer frase, comparação, exemplificação que o orador for fazer, deve ser avaliada muito bem antes de se expor ao público que está participando do evento.

HABILIDADE DE TRANSMITIR

Esta dádiva é possível para todos os seres humanos. Todos nós conseguimos nos expressar perante o nosso semelhante através da fala, dos gestos, da maneira que nos posicionamos. São atos que proporcionam comunicação e, então, porque falarmos que não conseguimos nos transmitir ao próximo? Esta interrogação deve sair de nossas mentes, porque todos, sem distinção de pessoas, podem, devem e conseguem comunicar-se de maneira fácil e possível, simplesmente seguindo o que já foi apresentado nesse livro e usar do seu próprio íntimo a coragem que deve estar presente no momento que for se apresentar como orador.

Conforme já falado no início deste livro, qualquer pessoa, experiente ou não, no momento que for apresentar o trabalho terá medo, mas que, com o decorrer da conversa, os assuntos começam a fluir na mente, acaba o receio de errar e tudo se torna muito fácil. O que devemos fazer é preparar-nos, conhecermos bem o assunto, planejarmos o trabalho na forma escrita e em “slides” para realizarmos uma boa oratória.
A pessoa que se propõe a falar em público necessita perder a timidez e a vergonha. Estes dois fatores humanos não podem fazer parte do orador, mesmo que na sua intimidade, no seu interior, existam. No momento que estiver falando aos ouvintes não devem existir o medo e o embaraço. Sabe-se que é difícil essa superação, mas as pessoas devem controlar a sua mente e trabalhar para que consigam superar este bloqueio interno, sabendo que a superação é o próprio ser humano que consegue alcançar.

Admiramos as pessoas que falam bem; é louvável e é uma forma de nos espelhar para superar os nossos obstáculos, desde que não imitemos as suas atitudes, apenas utilizemos como exemplos os fatos positivos para aplicarmos em nosso dia-a-dia e avaliemos os negativos para não os cometer no decorrer de nosso profissionalismo. Reproduzir o nosso ídolo transforma-se em uma fala mecânica, cabível de constrangimento para o público, levando-nos a criar bloqueios e voltarmos a nos envergonhar perante o próximo. Também o ato de imitar proporciona ao público deixar de prestar atenção no objetivo central de nossa fala e passar apenas a avaliar os gestos que fazemos. Sendo assim, perde-se o valor do conteúdo programático que nos propusemos a apresentar. Este comentário é válido para uma palestra cientifica e técnica. Se o palestrante a fizer na forma de humor, fica à disposição de usar qualquer outro método que achar importante para cativar o público.

A melhor forma de apresentar uma palestra é conversar com os participantes, é motivá-los a fazer parte do evento e tornar-se um mero interlocutor da palestra. Haverá, assim, uma união de ação, e o palestrante pode se aproveitar dos exemplos para que enriqueça a apresentação.

A firmeza das colocações das metas apresentadas, dos objetivos identificados, do conteúdo programático atualizado, demonstra a sinceridade, o entusiasmo e a honestidade em ajudar bem aos participantes; assim influenciarão positivamente o sentimento e o verdadeiro pensamento de colaboração que enobrece o público alvo e torna satisfeita a participação do acontecimento e união em produzir informações satisfatórias para o auditório.

APRESENTAÇÃO DO AGRADECIMENTO

Expresse os sentimentos sinceros do agradecimento, demonstrando de forma calorosa o “muito obrigado”. Isto irá valorizar todo o seu trabalhado e motivará os participantes a também agradecerem pelo seu sincero desempenho profissional.

Valorize a público todos os que ajudaram o seu planejamento de palestras, não se esquecendo de nenhum deles. Isto demonstrará ao auditório a real firmeza do que foi proferido e observarão o palestrante de outra maneira, principalmente humano na valorização do seu próximo.

Agradeça ao convite que foi dado para palestrar esse determinado evento, isso construirá um elo e demonstrará como é útil prestar um serviço ao seu próximo, principalmente para aqueles que querem ouvir o pouco de conhecimento que pode ser apresentado. A apresentação da forma modesta demonstra o enriquecimento de todos, principalmente do próprio orador.

AÇÕES LÓGICAS PARA UMA BOA ORATÓRIA

Não inicie uma palestra pedindo desculpas: os participantes vão sentir insegurança por parte do orador.

Não inicie a palestra contanto piada, muitos do auditório podem não gostar, não achar engraçado ou conhecê-la e perder todo o brilho da conversa.

Inicie contando exemplos de vida, principalmente a do próprio orador; conheça e tenha confiança no que está falando. Caso for falar de alguém e, de forma desagradável, não cite a referência verdadeira, dê nomes, mas não conte quem é a verdadeira pessoa.

Entusiasme o público, dê vida à conversa, mostre o conhecimento, mesmo sendo mentira o que está proferindo, mas demonstre verdade na forma em que está relatando. É mais fácil acreditar em uma boa mentira bem falada do que uma verdade mal expressada.

Seja positivo na forma de se expressar: não demonstre nervoso, insegurança e agitação. Todos estes fatores proporcionarão desvalorização na conversa proferida.

Aproveite o máximo de apresentação visual: o participante gosta e fixa mais com imagens do que com muita fala, o que, às vezes, cansa o participante.

Observe bem a postura de se colocar em uma palestra. Evite sentar, encostar ou mesmo debruçar sobre a mesa. Isto demonstra sinal de indolência.

Não desvirtue a fala que deve ser proferida no evento deixando de cumprir com os objetivos planejados e divulgados para o participante.

Sugere-se não colocar muitas informações nos “slides”, pois torna-se cansativo e não motiva o participante a ler e prestar atenção na comunicação proclamada.

Planeje a duração da palestra de forma que não desanime os participantes e cumpra rigorosamente com o tempo. Terminá-la antecipadamente, proporciona prejuízo para os participantes, ultrapassando o tempo determinado provoca irritação ao público e com isso deixam de prestar atenção no assunto e isto prejudica o evento.

Portanto, faça da aula, do discurso, da palestra a melhor apresentação de sua vida, pois sua imagem estará gravada na mente de cada participante e o seu “marketing” pessoal será divulgado para todos positiva ou negativamente. Sendo assim, faça bem feito e proporcione qualidade na sua excelência de comunicação. A motivação, o entusiasmo, a alegria e a vontade são as armas do sucesso de cada comunicador.

O amor é igual a uma rocha: persiste em não ser destruído, mas o tempo passa, os percalços da vida vão deteriorando a fortaleza existente, até que um dia se abala. Não podemos permitir-nos sofrer esse abalo, pois o amor deve sempre permanecer entre nós. Só assim podemos construir um mundo de paz e harmonia entre os povos.

WAGNER LUIZ MARQUES – Casado – Duas filhas – Data de Nascimento – 28/04/1966 – Endereço – Rua Fernão, 1994 – Cianorte – Paraná – Telefone – 44-3629-5578 – 44-9977-6604 – e-mail- wlmcne@hotmail.com – Página Internet- http://www.wlmcne.blogspot.com. Graduado em Ciências Contábeis pela Universidade Estadual de Maringá – UEM (1991), especialista em Qualidade Total e Readministração pela UNIPAR - Universidade Paranaense(1997), Especialista em Ensino Religioso pela Universidade Estadual de Maringá - UEM (1999), Mestre em CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO - UNIVERSIDAD TÉCNICA DE COMERCIALIZACION Y DESARROLLO (2002) - Título da Dissertação: La búsqueda de la satisfacción humana em el mercado profesional de la educación. e Doutor em CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO - UNIVERSIDAD TÉCNICA DE COMERCIALIZACION Y DESARROLLO (2006) - Título da Tese: Factores que inciden para la satisfacción humana en distintas áreas profesionales. Professor titular da Universidade Paranaense-UNIPAR. Experiência na área de Contábeis/Administração/Educação com ênfase em Qualidade Total e Readministração, Recursos Humanos, Análise de Custos, Contabilidade Gerencial, Finanças, Metodologia de Ensino. Consultor na área Administrava Empresarial e Educacional; Auditor e Perito Contábil. Escritor de 11 livros com registro e publicação e participação em 03 livros com registro e publicação, sendo eles: 1- O Poder da Superação; 2- Administração do Homem e de Seu Semelhante; 3- O Alicerce Principal a Família; 4- O Líder não Acontece por Acaso; 5- Contabilidade Gerencial a Necessidade das Empresas; 6- Éramos Onze; 7- Vida uma Fonte de Luz; 8- Virei (Corintiano); 9- Cianorte uma Narrativa da Satisfação Humana; 10- Quem me Acordou do Sonho?; 11- O Grande Cientista “Em Busca da Satisfação Humana”; 12- Adolescente Aprendiz “Valorizando o Trabalho”.; 13- Fale: Você está sendo Gravado; 14- Diário de um Empreendedor. 15- Coletânea de Histórias. Vários artigos escritos e publicados em jornais de circulação e revistas do CRCPR – Conselho Regional de Contabilidade do Paraná.

Endereços eletrônicos: wagnercne1@gmail.com; wlmcne@hotmail.com; Endereço por correspondência: Wagner Luiz Marques Rua Fernão Dias, 1994 Zona 01 CEP- 87.200-000 Cianorte – Paraná. Telefone: 44-3629-5578 - Celular: 44-9977-6604.

Professor Dr. Wagner Luiz Marques

 

Recursos desta aula

Indisponível para usuário não cadastrado, cadastre-se para obter acesso
A FOLHA AMASSADA

A FOLHA AMASSADA

Vídeo do Youtube

Aula anterior: 22 - XI – ACEITE COMO VOCÊ É – VIREI – 2ª AULA
Próxima aula: 24 - II - ADMINISTRAÇÃO DO HOMEM E DE SEU SEMELHANTE

Alunos matriculados (37)
Cadastre-se e acesse a maior rede de conteúdo educacional disponível na Internet
Interdisciplinariedade